segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dentritos, Corpo, Bainha de Mielina, Axônio...!

Um neurônio! Um neurônio básico. Nada muito espetacular. Simples e básico...
Desde que fizesse parte da tua cabeça, para eu saber o que se passa aí e tentar entender você!

Um! Só um! Seria pedir muito? Talvez sim, e por isto Deus me deixou fora de você!

Ora... se às vezes nem nós mesmos nos conhecemos... seria prepotência minha querer conhecer você mais intimamente do que me é permitido... Estar na sua mente, mas não como lembranças, e sim fazendo parte dessa complexidade cerebral, mental e existencial!

"Ler" seus pensamentos não seria suficiente! Os pensamentos mudam rápido, como as folhas do chão, quando um vento forte vem e as arrasta junto. Seria muito trabalho para concatenar todos eles e atualizá-los a todo instante. Eu precisaria estar realmente DENTRO da sua cabeça!

Mas se eu estivesse dentro da sua cabeça... qual seria o meu papel? Qual seria minha função nisto? Será que eu aguentaria ficar de espectador, e passivamente ver os pensamentos e decisões rolarem de um lado para o outro... de um outro neurônio para mim, e de mim passar para o seguinte...?

Será que eu iria suportar a função de ser um simples mensageiro de impulsos? Ou será que eu iria mexer e remexer em todas as ramificações e faria você mudar? Mudar de idéia, mudar de paisagem, mudar de pensamento? Seria o meu pensamento melhor que o seu? Se sim, então por que eu fiquei de fora? De fora da sua cabeça?!

É complicado demais isso! Complicado ver você agindo aleatoriamente, de um modo que realmente impressiona, pois de você nunca esperaria atitudes correlatas com esses seus pensamentos! Pensamentos que eu, do lado de fora, nunca imaginei existirem aí dentro!

Mas acho que o Plano Divino era este mesmo! Que eu viesse, visse, e vencesse! E do lado de fora, pois meu papel aí dentro seria muito limitado, e eu sou muito mais do que às vezes sou visto. Ou por falta de visão, ou por outro motivo que deve estar aí dentro, junto com os meus outros colegas neurônios.

Eu tenho que ficar aqui mesmo, onde estou: do lado de fora! No papel de torcedor, observador, aprendiz e professor... É só este o papel que me cabe agora!


Flávio Augusto Albuquerque

domingo, 22 de maio de 2011

Pensamento do dia...


"Todo amor precisa de uma dose de racionalidade, bem como toda razão precisa de uma dose de amor!"

Flávio Augusto Albuquerque

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Sim, eu sonho.



Toda noite eu sonho.
Será que é errado sonhar?

Existem pessoas que dizem que não sonham;

Eu digo que elas apenas se esqueceram dos seus sonhos.

Mas eu não! Eu sonho!
Tenho uma infinidade de sonhos,
Carregados pela vida até agora!
Alguns até se realizaram,
Outros... São fantásticos demais para se realizarem!

Mas ainda assim eu sonho.
Sonho poder voar livre pelo céu, como o falcão,
Que observa do alto a sua presa cá embaixo, e ataca certeiro!
Ou como um pardal, que voa baixinho... baixinho...
Mas nem por isso deixa de nos encantar com seu canto!

Eu sonho. Sonho em ser feliz o tempo todo!
Ser feliz, neste mundo lindo de meu Deus!
Sonho com o amor, não com a guerra!
Sonho com a igualdade e a tolerância entre os povos,
Sonho com a Paz!

Eu sonho!
Eu sonho porque este é o momento em que eu ouço minha mente mais profunda e a razão.
É o meu momento de ouvir e falar cara-a-cara o que eu quero.
Tudo aquilo que eu quero nos meus sonhos...
Eu sonho.

Eu sonho com um dia mais bonito,
Sonho com um dia brilhante,
Com flores em todos os campos,
Com o som dos pássaros cantando, e encantando.
Sonho correr sem barreiras nem amarras!
Eu sonho.

Sim, eu sonho!
Eu sonho. E será errado sonhar?
Sonhar em amar e ser amado!
Sonhar que o impossível é só uma palavra no dicionário.
Um dicionário, quem sabe, de uma língua morta.
Língua morta para dar vida a uma nova vida.
Uma vida de sonhos!

Sim, eu sonho!
Eu sonho com o espaço, com a via láctea, com o universo todo;
Sonho em ser livre, poder andar ... voar por todos os lados!
Ser livre para sonhar! Finalmente livre das prisões da realidade!
A realidade que nem sempre é alegre, mas ainda assim é real.
E é por isso que eu sonho! Sonho para ser feliz!
Eu sonho para ter forças.
Forças para correr, para lutar, para amar, para viver!

Eu sonho.
Sonho e acordo com a esperança de um dia tudo ser real,
Quem sabe meu sonho um dia se realize,
Porque não é errado sonhar!
Na verdade, é preciso sonhar!
O mundo me amarra; o sonho me liberta!
É por isso que eu sonho, sim!

Sim, eu sonho!

Flávio Augusto Albuquerque

terça-feira, 17 de maio de 2011

O que eu espero da vida


O que eu espero da vida é nunca ter que esperar por ela para fazer acontecer!
Nunca esperar para ser feliz! Tem que ser feliz agora!
Nunca esperar para aprender! As lições estão aí na nossa cara, basta ver!
Nunca esperar pelo próximo! Porque se você não se move, o próximo sempre estará longe!
Nunca esperar o momento certo! Tem que buscar fazer O momento acontecer!
Espero sorrir sempre, pois a vida sorrirá de volta para mim!
Espero bastante amor! E que seja amor próprio!
Espero enxergar o meu real valor, pois só assim as pessoas também verão o quanto eu valho!
Espero saúde e paz, para durar na vida o tempo que a vida em mim durar!
Espero aprender com a dor! Assim sempre serei mais forte e resistente!
Espero beber muitas limonadas, dos limões que a vida me presentear!
Espero da vida, uma vida melhor! Que a Paz e a Justiça não sejam apenas ideias abstratas e subjetivas.
Espero deixar minhas pegadas como marcas de algo importante para gerações futuras!
Espero ter sabedoria para ver a beleza nas coisas mais simples da vida!
Espero que meus livros sirvam de referência e levem a uma reflexão positiva.
Espero que minha árvore cresça e dê muitos bons frutos.
Espero que meu filho ou filha nasça, e cresça sabendo o real valor de serem humanos, dignos e justos!
Espero estar vivo para ver uma sociedade com mais amor e menos guerra!
Enfim... o que eu espero da vida, é tudo o que ela espera de mim!


Flávio Augusto Albuquerque

sábado, 14 de maio de 2011

O que você quer?... diga-me!...


O que você espera de mim? Diga-me!...

Você espera que eu sorria das suas palhaçadas sempre?

Você espera que eu ature seu mau-humor eterno?

Você espera que eu ainda acredite quando você diz que me ama?

Você espera que eu aceite suas desculpas, seu pedido de perdão?

Você espera que toda vez que eu saia, eu te beije: no rosto? ou nos lábios?

Você quer que eu escute suas reclamações e permaneça calado?

Você quer que eu continue acreditando nas suas mentiras?

Você quer orgasmos múltiplos e constantes todos os dias?

Você quer me deixar ou quer que eu te deixe?

Você espera que eu fique deprimido por causa das SUAS escolhas?

Você quer que eu fique à SUA mercê, sempre que você precisar de um ombro?

Você quer uma pessoa com QI + QE menor que 200?

Você não sabe o que quer da sua vida, o que quer para você?

Você quer um vassalo aos seus pés, e viver a mordomia dada aos suseranos?

Você acha que EU quero seu "amor", por "Piedade"?

Você pensa que eu TE mereço, e que VOCÊ me merece?

Você acha que pode me reconquistar, como um dia disse que poderia?

Você acha que eu ainda te amo?

Você acha que a vida que você escolheu é fácil?

O que você quer, afinal de contas? Diga-me!

Eu sei bem o que eu quero e fiz minhas escolhas baseado nisto!

Eu sempre soube o que eu queria! A quem eu queria!

Não me culpe por não ter dado certo!

A culpa é SUA sim! Total e completamente SUA!

Não se esquive de responsabilidades advindas de suas aventuras!

Não fuja das consequências, jogando para os outros um peso que é seu!

Você me encontrou! Você me teve! Você planejou uma vida comigo!

Você teve do bom e do melhor que eu pude te oferecer!

Você me viu "comprando briga" pelo nosso amor!

Você teve a mim sempre do seu lado nos momentos mais difíceis, desde sempre!

Agora que você jogou tudo isto fora, ainda espera de mim compaixão e amizade?!

Deste modo você demonstra que a sua prepotência vai um pouco além
dos limites da razão e da tolerância!

Pense e reflita...
O que você quer? Diga-me!
Porque no final das contas, quem saiu "pagando caro por alguém barato" fui eu!
E se tem duas coisas que eu mais tenho certeza, são:

1) Eu valho muito mais do que você pensa!
Até porque seu julgamento de valor já mostrou-se ser falho!
2) Tudo que eu fiz por nós foi por amor! Amor pelos dois...
E este foi meu erro! Erro que não sabia ser erro! Errei tentando acertar!


Flávio Augusto Albuquerque

terça-feira, 10 de maio de 2011

Um dia eu aprendo...

Um dia eu aprendo...
que a vida nem sempre é doce;
que amar é diferente de gostar;
que orgasmo nem sempre é real,
e nem sempre é prazer,
e nem sempre é recíproco.

Um dia eu aprendo...
que 1 e 1 nem sempre resulta em 2;
que sorrir não significa estar feliz;
que espaço tem pelo menos 3 significados diferentes;
que mesmo estando junto, eu posso estar só;
que mesmo estando só, eu posso estar junto!

Um dia eu aprendo...
que aprender às vezes dói, mas nos deixa mais sábios;
que um sonho nem sempre pode ser real;
que a realidade nem sempre é um sonho;
que ouvir "Eu te amo" nem sempre é de verdade;
que atitudes valem mais do que palavras!

Um dia eu aprendo...
que eu ainda não sei de dez por cento da vida;
que todo dia temos uma lição nova;
que os obstáculos surgem para ultrapassarmos;
que o amanhã a Deus pertence;
que eu posso aprender com a dor.

Um dia eu aprendo...
que existem pessoas que nos merecem,
que tem outras que não,
e pessoas que nós não merecemos!
que um casal representa uma unidade de dois,
que mesmo sendo casal, cada um é cada um!

Um dia eu aprendo...
que devo ser responsável pelas minhas escolhas,
que cada escolha representa uma renúncia,
que satisfação se dá por consideração ao outro e é espontâneo,
que nada obrigado presta,
que eu nasci para ser feliz!

Um dia eu aprendo...
que primeiro vem o amor à minha família,
que depois da família vem o amor à MIM,
que depois de mim, vem EU de novo
que depois de 2 vezes EU, ainda tem uma terceira vez EU...
que só depois vem 'o amor aos outros'...
(mesmo que este amor seja 'amar o próximo como a si mesmo'!)

Um dia eu aprendo...
que o amor verdadeiro é o que vale;
que eu sou mais forte do que eu penso;
que os dias têm duração para acabar;
que logo depois, vem um novo dia;
que depois da tempestade vem a bonança.

Um dia eu aprendo...
que eu posso ser feliz sozinho,
que ser feliz a dois é mais gostoso,
que mesmo sendo a dois, eu ainda sou feliz sozinho,
que felicidade é estado de espírito,
que o amor próprio sempre traz felicidade.

Um dia eu aprendo...
que eu posso errar porque sou humano,
que errar duas vezes ainda é humano,
que errar o mesmo erro três vezes é burrice,
que a outra pessoa pode errar, porque também é humana!
que permanecer no erro é burrice + arrogância!

Um dia eu aprendo...
que perdoar é preciso,
que o perdão vem do arrependimento,
que o arrependimento faz a mudança da atitude errada,
que devemos nos perdoar,
que o perdão vem do amor!

Um dia eu aprendo...


Flávio Augusto Albuquerque

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Minha lida de boêmio...

Minha lida de boêmio... começa já ao pôr-do-sol,
logo no início dos dias guardados para descanso!
Nos outros dias, sempre abstêmio, aguardamos com ânsia
pelo labor disputado por vários e invejado por tantos!
Compartilhado com muitos!...

Dura lida! Tendo como companhia o sabor do licor da cevada!
Oh cruel, como é, esta vida! Escraviza sem comiseração
o pobre cidadão, tão surrado e suado pelos anos a fio
à estrónia dedicados, com o apoio do tabaco e do alcatrão.
Amargos, logo passado o efeito ébrio
e da partida da esperada labuta.

Oh, vida de escravidão, misturada com paixão
pelo prazer da sensação do brilho dormente
dos lábios, dos dedos, ouvidos e pálpebras,
que fecham-se lentamente, enquanto reviram
as vísceras, indignadas com a vida de farrista.

Vida vadia, vida querida, vida corrida...
Eterna busca pela fermentação, já nos servia Ninkazi
Oh, Deusa suméria, data de 4.000 anos a tua adoração.
Quem sou eu pobre mortal, servo devoto da nobre sabedoria,
Conhecida e concebida logo após uns bons goles da tal bebida.

Oh, companheiros de jornada...vamos dar a última virada
da enorme taça, no mesmo ritual da décima quinta saideira,
pois já cá estou a falar asneira aos pobres ouvidos
que só ouvem zumbidos dos irmãos esquecidos
e reencontrados a cada boêmia labuta.

Fiéis vadios, tão fiéis quanto eu ao encontro semanal
De mais uma rodada da deliciosa cevada!
Encerro então minha tão esperada e largada
lida da vida, lida do boêmio, voltando a amargorosa
vida de abstêmio, a aguardar a próxima troca de turno,
para então retornar à feliz e dedicada vida
à tal lida de boêmia.

Novamente encontrar, espero, os amigos de infância,
só conhecidos por mim na fase adulta,
durante a dita labuta já citada e cultuada desde o início dos dias.
Dias de ébrio, dias de prazer, dias de boêmio,
que encerram-se ao amanhecer!

Despeço-me da ébria felicidade
e retorno à sobriedade da hipócrita
e chata sociedade que faz
essa vida tão sofrida, que é a realidade!

Flávio Augusto Albuquerque

(Homenagem ao meu amigo Edney. Grande Irmão de coração, um verdadeiro Super Gêmeo!)

sábado, 7 de maio de 2011

Preto-e-Branco... (Como pode?)

Como pode?
Um sonho tornar-se pesadelo num piscar de olhos?

Como pode?
A perfeição tornar-se imperfeita simplesmente assim, do nada?

Como pode?
O amor deixar de existir, por uma noite apenas?

Como pode?
Uma vida entrar e sair da vida de alguém como se fosse simples?

Como pode?
Um coração sofrer tanto, em prol do bem de outrem?

Como pode?
O egoísmo vencer o altruísmo, justamente por este ser altruísta?

Como pode?
Valores se inverterem de tal modo que faça chorar quem antes sorria?

Como pode?
A vida ser assim, e depois não ser mais nada?

Como pode?
Alguém não perceber o alcance dos seus atos e agir por conta própria?

Como pode?
Alguém sofrer por quem não te ama?

Como pode?
Um direito conquistado precisar ser abdicado?

Como pode?
O frívolo tornar-se importante?

Como pode?
Querer alguém que não te quer?

Como pode?
Fazer calar um coração quebrado, partido pela dor?

Como pode?
O colorido perder a cor e tornar-se, então, apenas preto e branco?

Como pode?


Flávio Augusto Albuquerque

quinta-feira, 5 de maio de 2011

E a chuva chove...


E a chuva chove...
com seus pingos grossos molham a cidade
que já está castigada pelo próprio homem,
que dela não sabe cuidar!

E a chuva chove...
alagam-se bueiros, inundam-se avenidas,
transbordam-se rios...
rios de lama, rios de lixo,
rios de indignação!
Indignação daqueles próprios que
sujam os rios, as ruas, o meio ambiente,
que, provocado, busca sua vingança e
reivindicam o seu espaço,
espaço roubado pelo bicho humano,
que diz-se ser racional!

E a chuva chove...
reclamações, reclamações e mais reclamações...
faltam AÇÕES! Ações que eduquem os seres
que se dizem pensantes, para que
conscientizados do obvio, cuidem daquilo que
ainda resta do planeta!

E a chuva chove...
O Planeta Terra, com 3/4 de água,
sendo apenas 3% potáveis...
Planeta Terra, com suas matas
devastadas e cada vez mais destruídas,
em prol do capital de poucos, e contra
milhares e milhares de seres que nelas viviam!

E a chuva chove...
Chove no Planeta Terra, planeta louco,
planeta lixo, planeta poluído!
Se Deus fez o homem e a mulher, a sua
imagem e semelhança...
Então quem são estes seres que vivem
aqui no nosso planeta, por Ele criado?
ou então...
Que Deus mau, que Deus sujo, que Deus egoísta e ganancioso!

Ou seria: Que filhos desnaturados, desobedientes,
com o ego tão inflado que se atrevem a
destruir aquilo que O pai nos deixou como herança!
Que filhos ingratos! Que filhos teimosos!
Teimam em fazer a sua vontade, reinventando
para pior aquilo que já estava pronto há muito tempo antes deles!
Teimam em fazer de Deus, a sua imagem e semelhança,
numa inversão injusta e errada, para depois estes próprios
filhos levantarem as mãos para o céu,
mas não para implorarem perdão, e sim reclamando
do castigo pela malcriação do maldito filho!

E a chuva chove...



Flávio Augusto Albuquerque

quarta-feira, 4 de maio de 2011

"Being a romantic in love? So, I'm a guilty!"

Ora, se num mundo onde só existe dor, tristeza, ódio, frieza, egoísmo, e cada um pensa no seu próprio umbigo... quando aparece alguém sensível aos sentimentos dos outros, então esta pessoa é tida como "errada"? Então sim! Eu estou errado! Sou culpado de ser um romântico apaixonado sim! Sou raro, especial, diferente? Não sei... posso até ser, mas espero que não!

Sinceramente não sei qual o problema das pessoas em aceitar o amor que outras têm a dar! Sempre desprezam e jogam fora! E o culpado é o sensível, o deprimido, o triste... termina sobrando para aquela pessoa, talvez a única pessoa que estava ali disposta a levar adiante o maior sentimento existente desde que Deus é Deus! O Amor!

Suportar a dor da perda de alguém que amamos não é e nem nunca será fácil para nenhum ser humano! Até os animais ditos irracionais, mas que foram domesticados (cães e gatos, por ex.) são capazes de sentir a dor da separação do seu dono, ou de alguém de casa, com quem tinha afinidade! Seja qual for o motivo da perda: término de relacionamento, morte, viagem para algum lugar longe... tudo isto leva a perda a um sentimento de luto! Que difere de pessoa para pessoa... depende da ocasião!

Agora ao invés de criticar a pessoa que está sofrendo a dor da perda, deveríamos ser empáticos e respeitar o momento desta pessoa! Não tratar com desdém, simplesmente porque para a pessoa que está ouvindo as lamúrias do sofredor amante e apaixonado, nada daquilo lhe faz sentido! Claro que se existem pessoas sensíveis e que amam de verdade, existem também os "desgarrados e frios de coração"... que acham que o amor é uma utopia!

Pois danem-se! Continuem achando isso! E eu continuarei amando! Tendo cuidado de não quebrar a cara, mas se isto acontecer... paciência! É a consequencia de se entregar a um sentimento tão nobre e lindo! E eu não me absterei de tal sensação sublime por acharem errado!

Se ser um amante apaixonado é um pecado, se é errado! Então declaro-me culpado! Pois assim o sou! Amo sim! Sou sensível sim! Sou humano empático sim! Aprendi a tentar pelo menos entender o lado da outra pessoa. Não posso carregar a cruz dos dois, mas posso fazer o calvário junto com o outro! (se for o caso!)

É uma pena que, nesta 'merda de vida' ainda existam pessoas tão atrasadas e materialistas, que trocam o amor sincero de alguém por carros, aviões, atrações físicas... esquecendo que o amor é uma via de mão dupla! Que a decisão de um interfere diretamente na vida do outro!

É realmente uma pena! Deste mal irei padecer: AMOR! Amar Sempre! E quanto mais incondicional for, melhor!


Flávio Augusto Albuquerque